Resenha | Até o Fim

4 de jun de 2019

Oi Perdidos,

Já estava com saudades... a última vez que li um livro inédito do Harlan Coben foi em julho do ano passado com Volta para Casa (clique aqui para ler a resenha), o décimo primeiro livro da série Myron Bolitar. O autor nos apresenta mais um stand alone de mistério e suspense.

Harlan Coben
Até o Fim
Amazon | Saraiva | Submarino

Autor: Harlan Coben @harlancoben
Editora: Arqueiro @editoraarqueiro
Gênero: Crime, Policial, Suspense, Mistério
ISBN: 8580419387 Skoob
Páginas: 272
Ano: 2019
Classificação:

Napoleão Dumas, ou Detetive Nap, nunca mais foi o mesmo após o último ano do colégio, quando seu irmão gêmeo, Leo, e a namorada dele, Diana, foram encontrados mortos nos trilhos da ferrovia. Muitos dizem que eles morreram por culpa das drogas e do álcool. Além disso, Maura, seu grande amor, terminou tudo e desapareceu sem dar nenhuma explicação.

Por quinze anos, o detetive procurou a ex-namorada e buscou a verdade sobre a morte do irmão. Agora, finalmente, há uma pista! Ao seguir essa pista, Nap descobre que as mortes de Leo e Diana são mais misteriosas do que ele podia imaginar.

Não quero soar dramática, mas os fantasmas daquela noite ainda estão presos aí, dentro de você. Talvez a verdade os liberte.

Fazer a resenha de um livro do mestre do suspense Harlan Coben não é uma tarefa fácil porque temos que tomar muito cuidado para não dar spoilers. A própria sinopse que está no livro cita qual é a pista que aparece. Tudo bem que isso não é uma grande revelação, mas tira o prazer que essas pequenas descobertas trazem para a leitura.

O autor descreve tão bem seus personagens que a gente logo sente empatia por eles. Até dos que já estão mortos. Nap está sempre conversando com Leo, o irmão morto. É como se ele pensasse em voz alta e isso é brilhante para compreendermos os sentimentos e as emoções do detetive. A narrativa em primeira pessoa é ágil e cheia de humor, característica do autor.

Há quem diga que o dinheiro é a fonte de todos os males. Pode ser. Outros dizem que dinheiro não compra felicidade. Também pode ser. Mas se você sabe lidar com ele, o dinheiro compra liberdade e tempo, coisas bem mais tangíveis do que felicidade.

Harlan Coben sempre situa suas histórias em Nova Jersey, criando um grande background, por isso, é comum aparecer personagens de outras histórias do autor. Quando Nap vai às quadras de basquete ao lado do ginásio da Wetbridge High School a procura de um amigo, ele se depara com Myron Bolitar que está jogando basquete. Adoro quando esses crossovers acontecem.

Nap trabalha aos domingos em um abrigo que acolhe mulheres vítimas de violência doméstica. Sua melhor amiga comanda o local e, às vezes, ele dá uma de justiceiro sem o conhecimento dela. Dessa forma, o autor também traz para o debate questões sociais. É correto fazer justiça com as próprias mãos? Já parou para pensar nos dois lados dessa questão?

Às vezes, tudo parece tão corriqueiro e normal que a gente logo desconfia que Harlan Coben pode estar nos enganando ou ter preparado uma reviravolta para a página seguinte. A conclusão é bem coerente com a história e os personagens, então, pode não surpreender alguns leitores. Como sou sempre manipulado pela narrativa do autor, fiquei abismado pela forma como tudo aconteceu.

Em comemoração os 10 anos de Harlan Coben na Arqueiro, a editora está relançando todos os livros com  uma nova identidade visual. Pessoalmente, gostei muito das novas capas! Confira o cronograma de lançamentos.


Os livros do Harlan Coben sempre me fazem virar a noite lendo. É impossível para de ler antes de descobrirmos o grande mistério. Com Até o Fim não foi diferente.

Todo mundo tem seus sonhos e esperanças.

Com amor, André

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi Perdido,
Deixe o seu recado, seja ele um elogio ou uma sugestão.
Obrigada por visitar os Garotos Perdidos.