Resenha | O Ódio Que Você Semeia

9 de mai de 2019

Oi Perdidos,

Eu participei de uma leitura coletiva de O Ódio que Você Semeia no final de 2017. Fiquei tão impactado com a história de Starr que não consegui escrever sobre ela na época. Agora que a Galera Record relançou o livro de Angie Thomas com a capa do filme, aproveitei para reler e escrever, finalmente, a resenha dessa obra poderosa.

O Ódio Que Você Semeia
Amazon | Saraiva | Submarino

Autora: Angie Thomas
Editora: Galera Record
Gênero: YA, Drama, Racismo Own Voices
ISBN: 8501116130V Skoob
Páginas: 378
Ano: 2018
Classificação:

Starr é uma garota negra de 16 anos que não consegue se encaixar em nenhum grupo. Ela não é branca por causa da cor da sua pele, mas os jovens de Garden Heights acham que ela não é negra o suficiente por causa da sua forma de agir e falar.

Por coincidência, acabei de assistir um episódio de Queer Eye (disponível na Netflix), chamado Uma Mulher Poderosa, que trata do mesmo tema. Em um determinado momento, Karamo se revolta:

Me incomoda quando as pessoas tentam definir nosso estilo ou nossos gostos somente se baseando no nosso tom de pele. Porque vai muito além disso. Não há apenas uma forma de ser negro (Queer Eye - T3E5)

Os pais de Starr não deixam ela fazer praticamente nada no bairro pobre onde mora. Quando ela não está na Williamson Prep, uma escola de classe alta que fica a 45 minutos de distância, está trabalhando com o pai no mercado da família. Por isso, vai escondida com a amiga Kenya para a festa de recesso da primavera na casa de Big D.

Quando a guerra entre as gangues King Lord e Garden Disciples chega à festa, Starr foge com Khalil, seu melhor amigo de infância. Antes dele conseguir deixa-la em casa, eles são parados por um policial branco que acaba dando três tiros no amigo de Starr. Khalil estava desarmado e Starr é a única testemunha.

Uma pessoa negra é morta só por ser negra e o mundo vira um inferno. [...] Eu sempre disse que, se visse acontecer com alguém, minha voz seria a mais alta e garantiria que o mundo soubesse o que aconteceu. Agora, sou essa pessoa, e estou morrendo de medo de falar.

Fiquei com medo de ler O Ódio que Você Semeia quando ele foi lançado por achar que poderia ser pesado e panfletário demais. Mas, graças à amigos que me convidaram para ler o livro de forma coletiva, pude apreciar essa obra tão necessária para o mundo em que vivemos.

A minha maior surpresa foi a escrita da autora negra americana Angie Thomas (Own Voices). Mesmo tratando de temas fortes, ela apresenta uma narrativa leve e fluida para contar a busca de uma menina negra de 16 anos por sua verdadeira identidade e, por consequência, a sua voz. Ao invés de levantar bandeiras políticas e sociais sobre o racismo, a autora nos faz ter empatia por uma raça que já foi escravizada e que sofre opressão até os dias de hoje. Um verdadeiro tapa na cara.

Apesar de todo esse lado realista, o livro é um YA e também traz momentos divertidos na medida certa. Os personagens são muito bem construídos, principalmente a família de Starr.

Não é à toa que o livro já está em sua 8ª edição aqui no Brasil. A edição da Galera Record é de primeira, como sempre. Adorei a capa do filme, onde a atriz Amandla Stenberg, que vive a protagonista no filme, substitui o desenho da capa original.


Falando em adaptação cinematográfica. A Fox fez uma pífia distribuição do filme aqui no Brasil. Ele nem chegou a ser exibido no Espírito Santo, estado onde moro, então, ainda não consegui assistir.

O músico Tupac Shakur disse que Thug Life (Vida Bandida) queria dizer The Hate U Give Little Infants Fucks Everybody, ou O Ódio que Você Semeia para as criancinhas f*d* com todo mundo.

Um excelente livro que merece ser lido não só pela mensagem que passa, mas por ser uma bela história de crescimento e superação.

Com amor, André

11 comentários:

  1. Oi André. Eu demorei meses para ler esse livro por causa da carga de luta e emoção nele. Cada vez que eu lia uma parte difícil eu ficava dias sem ler porque já penso nessas questões com frequência, mas ver ali no livro foi mais que um tapa, foi uma surra. Também não assisti ao filme ainda, e sei que vai ser mais um tapa, porque hoje este assunto está tão presente, quando não deveria, não é mesmo? Obrigada por suas impressões!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi, André!
    Eu, infelizmente, ainda não consegui ler esse livro, mas tenho muita vontade. E essa vontade só aumentou depois que assisti o filme e achei espetacular! Forte, real e necessário!
    Quero tentar ler logo e acredito que deveria ser uma leitura obrigatória para todo mundo.
    Fiquei muito triste que o filme foi muito divulgado e distribuído aqui no Brasil. Até porque no EUA, tanto filme quanto livro foram um sucesso. E o livro também vendeu muito bem aqui, então não faz muito sentido. Uma pena.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oii, tudo bem?

    Eu já conhecia o livro, um amigo meu vive falando sobre ele e insistindo para que eu o leia. O título já está na minha lista de desejados há um tempinho, e eu estou louca para realizar a leitura, acho a trama toda muito interessante, com um tema super relevante.
    Adorei a sua resenha, me deixou com ainda mais vontade de ler, obrigada por compartilhar!!

    Beijinhos!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu amei esse livro e adorei o filme. Os dois ficaram muito próximos, traz temas importantes e necessários para serem discutidos e refletidos.
    Sem dúvidas uma dica importante para jovens e adultos conhecerem.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  5. Tudo bem? Eu li o livro e assisti ao filme e curti bastante.
    Nos faz refletir sobre o pré conceito que ainda existe, por mais que as vezes queiramos achar que não por nosso meio ser tão tranquilo e comum.

    Um livro que deveria ser lido por todos.
    Ou que sabe, até assistir ao filme..
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Não conhecia esse livro, gostei bastante do enredo principalmente se nos trás uma lição e nos faz refletir em muitas coisas da nossa vida. Parabéns pela resenha me passou emoção foi bem sincera e acertou bem o ponto, estou curiosa em ler essa história, vou procurar na Netflix também,obrigado! pela dica

    ResponderExcluir
  7. Oi André, estou super curiosa para ler esse livro desde o lançamento. Acho muito interessante e importante a obra abordar questões relacionadas ao racismo e a busca pela própria voz.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Estou interessado nessa obra, desde seu lançamento e ainda não tive a oportunidade de ler. Espero que no segundo semestre eu consiga inseri-la na minha lista, pois é um livro que aguçou demais a minha curiosidade.

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Eu li esse livro o ano passado e foi um dos meus favoritos. É uma leitura muito necessária, pois aborda um tema difícil e atual como o racismo, com muita responsabilidade e de maneira realista. Além disso, amei a construção dos personagens e os momentos divertidos da família da Starr. Mas nem me fale da distribuição do filme aqui no Brasil. Pelo que soube, só passou em pouquíssimas salas no Rio e em São Paulo.
    Enfim, eu adorei a sua resenha e fico feliz que tenha gostado do livro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Eu amei muito esse livro e ele me fez refletir sobre muitas coisas que as vezes faço e penso sem a menor consciência. Também gostei demais da adaptação cinematográfica e lamento demais o filme ter sido tão porcamente distribuído no Brasil.
    beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá André!!!
    Ainda estou para ler esse livro, mas estou adiando e adiando não sei nem por quê já que ele me chamou tanta atenção. Acho que preciso de uma leitura coletiva pra entrar no ritmo também rsrsrs
    Fico muito triste que aqui no Brasil o filme tenha sido distribuído em muitas poucas salas de cinema, pois esse é um filme que merecia destaque.
    Mesmo assim adorei a resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir

Oi Perdido,
Deixe o seu recado, seja ele um elogio ou uma sugestão.
Obrigada por visitar os Garotos Perdidos.