Resenha | Lázaro: A Maldição dos Mortos

8 de jan. de 2019

Oi Perdidos,

A fantasia Graham: O Continente Lemúria, escrita por A. Wood, pseudônimo do paulista Vinícius Fernandes, foi meu primeiro contato com a Editora Selo Jovem. Gostei tanto que quis resenhar outra obra do autor - Lázaro: A Maldição dos Mortos.

Título: Lázaro: A Maldição dos Mortos
Autor: A. Wood (Vinícius Fernandes)
Editora: Selo Jovem
Gênero: Nacional, Terror, Zumbi
Páginas: 212
Ano: 2017
Classificação:

Quando comecei a ler Lázaro, me lembrei de Augustus Waters, personagem de A Culpa é das Estrelas, que adora livros de zumbis. Ele ia adorar Lázaro: A Maldição dos Mortos. Três carretas param em plena Avenida Paulista e, de dentro delas, mortos-vivos são liberados, espalhando o caos pela cidade de São Paulo. Luca e Pietro são amigos do trabalho e eles fogem do escritório na tentativa de sobreviverem aos ataques e reencontrarem suas famílias. Durante esse pesadelo, eles ajudam velhos amigos e conhecem novas pessoas.

Dizem que os zumbis representam a decadência da sociedade, então, lutar contra eles é como lutar contra tudo o que há de mal na humanidade.

Afinal qual era o sentido da vida? Quantas vezes vive-se pensando nisso? Por que nascemos? Para que estamos nesse mundo? Qual o propósito disso tudo?

O livro é dividido em duas partes. A partir da segunda parte, chamada de Regeneração, o que era um bom livro de zumbi se tornou em uma ótima fantasia. Esse plot twist podia ter acontecido antes. Teria gostado ainda mais do livro. Na verdade, não sou como Augustus Waters. Não gosto tanto da mitologia dos zumbis.

Uma das grandes qualidades de A. Wood é que ele sempre aborda a diversidade sexual em seus livros, sem que isso seja o foco da narrativa. É apenas mais uma característica de seus personagens, como na vida real.

A capa feita por Ademir Alves é irada! O livro que recebi não tem orelhas, mas a editora informou que está fazendo as duas versões: com e sem orelha. Acho legal a editora dar opções para o leitor, mas eu vou preferir sempre a versão com orelhas. Não há muito espaço entre as linhas, o que faz com que a leitura não flua como deveria, mas a narrativa do autor nos deixa curioso para saber o que vai acontecer em seguida. Quem será o próximo a morrer?

Láraro: A Maldição dos Mortos é bom! Tem um ritmo frenético, com muita ação, sangue, tripas e mortes, mas a mitologia de vampiros e lobisomens de Graham me agradou mais.

Com amor, André

Resenha publicada originalmente no blog Clube do Farol

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi Perdido,
Deixe o seu recado, seja ele um elogio ou uma sugestão.
Obrigada por visitar os Garotos Perdidos.