Resenha | A Aldeia Sagrada - Projeto Vagalume #2

7 de out de 2018

Oi Perdidos,

A resenha de Barcos de Papel, da série Vagalume, é uma das mais lidas aqui no blog, por isso idealizei o Projeto Vagalume que consiste em ler um livro dessa série por mês. Espero que curta!

A leitura escolhida para o mês de setembro foi A Aldeia Sagrada, de Francisco Marins.

Título: A Aldeia Sagrada
Série: Vagalume
Autora: Francisco Marins
Editora: Editora Ática
Gênero: Guerra, Infanto-Juvenil, História, Drama
Páginas: 106
Ano: 1993
Classificação:

Em A Aldeia Sagrada, o autor Francisco Marins claramente homenageia Os Sertões, de Euclides da Cunha, ao mostrar a dura vida no sertão baiano através dos olhos de uma criança.

Didico mora com os padrinhos, Chico e Donana, desde a morte dos pais. Quando uma seca sem precedentes assola o sertão, o garoto precisa deixar o Corumbê – a terra dos padrinhos - para se arriscar através da Caatinga.


O garoto de doze anos se junta a um grupo de retirantes e faz amizade com um homem chamado Juviara e seus dois filhos, Mada e Zico. Durante suas andanças, eles conhecem Antônio Conselheiro, líder religioso que prega esperança a seus seguidores. Ele começa a reunir sua gente em Belo Monte, uma antiga fazenda de gado, situada às margens do rio Vaza-Barris. O nome Canudos surgira porque os moradores dali fumavam em cachimbos de barro, com canudos muito compridos.

O sacrifício a dor, conduzem a criatura à salvação. O Senhor sofreu um calvário pior. A bem-aventurança pertence aos humildes e sofredores. Tudo no mundo é pequeno e passageiro. Grande só Deus e o reino do Senhor. O deserto pertence ao povo eleito. Ao fim dele fica o paraíso.

Os governantes acham que ele está iniciando um movimento separatista e começam a atacar o local, gerando uma grande revolta entre os seguidores do "santo" Conselheiro que culminou na Insurreição de Canudos.

O livro também retrata o transporte do meteorito Bendegó do interior da Bahia até a capital de Salvador, para depois seguir para o Rio de Janeiro. O Bendegó estava exposto no Museu Nacional do Rio de Janeiro que pegou fogo no último dia 02 de setembro. O meteorito de 5 toneladas é o maior já encontrado no Brasil e foi o único item que ficou intacto após o incêndio.


Só fui conhecer A Aldeia Sagrada agora, apesar da primeira publicação ser de 1953. Esse livro deveria ser obrigatório para todos estudantes por retratar momentos importantes da nossa história sem ser enfadonho como alguns livros didáticos.

Você consegue se colocar no lugar do Didico, compreender seus sentimentos e perspectivas. A primeira parte do livro é bem impactante e você consegue entender o drama do sertanejo que muitas vezes é obrigado a migrar para as grandes cidades na expectativa de uma vida melhor.

Ilustração do livro que retrata a Guerra dos Canudos

____________________________ O AUTOR ____________________________


Francisco Marins nasceu em São Manuel, interior de São Paulo, no dia 23 de novembro de 1922 e faleceu em 10 de abril de 2016. Seus livros foram traduzidos para 15 línguas diferentes e levam as histórias típicas do Brasil para diversos países do mundo.

Ele é o único escritor brasileiro a figurar na famosa coleção Européia Delphin, que reúne os clássicos de literatura juvenil de todo o mundo. É membro da Academia Paulista de Letras.

A Aldeia Sagrada, O Mistério dos Morros Dourados, A Montanha de Duas Cabeças e Em Busca do Diamante são títulos do autor que já foram publicados pela série Vagalume.

Com amor, André.

A segunda à direita
e depois sempre em frente
até o amanhecer

10 comentários:

  1. Oi, André! :D
    Confesso que não conhecia o livro ainda, apesar de ser uma publicação antiga. Na verdade, sou bem perdida quanto aos títulos da Coleção Vagalume pois, apesar de ser uma coleção a qual muitos se lembram com nostalgia, tive pouco contato com esses livros durante a infância. Sendo assim, acho que vou gostar da sua ideia de falar um pouco sobre eles uma vez por mês, assim posso conhecê-los melhor. Sobre este, posso dizer que adorei. Gosto muito de histórias que ilustram um contexto histórico brasileiro relacionado ao nordeste, pois eles têm uma história muito rica e batalhadora, que merece ser mais valorizada. Também gostei do vídeo sobre o meteorito. Fico muito triste ao pensar no incêndio desse museu, mas é bom saber que nem tudo foi perdido por lá. Ótimo post! Beijos!

    Jéssica Martins
    castelodoimaginario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, como vai?
    É vergonhoso confessar isso, mas eu ainda não li nenhum dos livros da coleção Vagalume! Pretendo mudar isso em breve. Esse volume eu não conhecia e adorei a sua resenha, a premissa é interessante demais e com certeza será uma excelente experiência de leitura para mim. Também fiquei com a sensação de que deveria ser lido nas escolas, precisamos de mais livros como esse sendo estudados.
    Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  3. Olá! Adorei essa sua proposta de trazer um livro da série Vagalume todo mês. Quem não conhece e ama os livros meu deus! Me lembro dos meus favoritos, e deste mesmo não tinha recordação. Gostei da importância da história em mostrar os retirantes e as dificuldades da seca. Obrigada por essa lembrança!

    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  4. Eu não conheci essa coleção quando era criança, só mais velha que fui saber sobre os livros. Mas que bom saber que essa história consegue falar sobre momentos importantes de forma mais descontraída e fácil de envolver os leitores. Gostei muito da resenha.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, André.
    Fiquei apaixonada por esse seu projeto.
    A coleção vagalume fez parte de toda a minha infância e agora bateu a maior saudades desses livros. Nem lembrava de ter lido essa história, mas conforme li sua resenha, percebi que já tinha lido sim!! Rs...
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  6. Olá, André!

    Amei o projeto! Queria tanto participar de algo assim, mas infelizmente não tenho um só livro da série Vaga-lume. Ao contrário de muitas pessoas, eu não tive a chance de ler essa coleção na minha infância. Nunca sequer esbarrei num livro dessa coleção. :(

    Fiquei muito interessada no livro, por conta do contexto histórico, de contar de maneira simples e acessível um pouco da história do nosso país e as dificuldades de nosso povo. Eu vou tentar adquirir o máximo de livros que consegui da coleção Vaga-lume para ver se futuramente consigo mergulhar num desafio assim.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bom?
    Simplesmente adorei esse seu projeto! Existem tantos livros ricos em conteúdo lançados pela coleção vagalume que vale a pena relembrá-los!
    Quanto A Aldeia Sagrada, bem, eu não conhecia, mas fiquei louca para conferir tendo em vista o contexto histórico riquíssimo que nos apresenta a nossa história, a história de nosso povo sem torna-la enfadonha. Gostei muito da resenha e pretendo sim ler este livro. Quem sabe não embarco neste projeto com você? rs
    Amei a resenha ♥
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oiii tudo bem??

    Quanto tempo não via coleção vaga-lume, isso me remete muito a infância.
    Achei que tinha lido todos, mas creio que não, pois esse realmente não conhecia.
    Adorei a resenha.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  9. Eu fui uma grande leitora da serie vagalume e meus livrinhos, hoje amarelados e velhinhos, pertencem ao meu filho. Mas este em especial eu não conhecia e já coloquei na lista para comprar pra ele... (pra ele, mas vou ler também)
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá, André.

    Já li alguns livros da série vagalume e posso dizer que sou apaixonada por ela, cada história que eu li foi uma ótima experiência. Infelizmente Aldeia Sagrada não chamou minha atenção, mas que bom que o autor visou focar na vida das pessoas que moram no sertão, ainda mais pelo ponto de vista de uma criança, que julgo que não é muito boa. Bjs!

    ResponderExcluir

Oie,
Obrigada por visitar os Garotos Perdidos.
Sua opinião é muito importante para mim.