A Espada de Kuromori - Jason Rohan [Resenha]

6 de out de 2016

Título: A Espada de Kuromori (The Sword of Kuromori)
Série: A Espada de Kuromori #1 (The Sword of Kuromori #1)
Autor: Jason Rohan
Editora: Editora Escarlate
Gênero: Aventura Infanto-Juvenil
Páginas: 304
Ano: 2014 (maio 2014)
Classificação: 3 Estrelas (Gostei)

A Espada de Kuromori foi uma indicação de Victor Almeida, do Canal Geek Freak. Um livro desconhecido, mas que chamou a minha atenção por misturar aventura, ao estilo Percy Jackson, com mitologia japonesa.




Se você gosta de Percy Jackson, com certeza vai gostar de Kenny Blackwood.
Você não escolhe o caminho, o caminho escolhe você.
Kenneth Blackwood é um garoto comum de 15 anos que vai visitar o pai que trabalha como professor no Japão a pedido do seu avô. Kenny não tem um bom relacionamento com o pai desde que a sua mãe morreu quando ele tinha 8 anos. Porém, ao chegar ao país, coisas estranhas acontecem e ele acaba preso pela polícia do Aeroporto Internacional de Narita. Ao ser levado para Tóquio para mais um interrogatório, Kenny é resgatado por um motoqueiro de preto.

Mais tarde, o motoqueiro revela-se uma garota. Seu nome é Kiyomi, filha de Hirashima.

Hirashima explica que o avô de Kenny foi para o Japão em 1945 a pedido do governo dos Estados Unidos para dar assistência aos americanos durante o período da Ocupação. Um período de muito sofrimento para os japoneses. Muitas pessoas foram forçadas a vender tesouros familiares para sobreviver. Alguns desses tesouros eram mais importantes do que pareciam, então, ele resgatou alguns desses tesouros e os escondeu.

O verdadeiro motivo de Kenny estar no Japão é para encontrar um desses tesouros. Como o avô é uma pessoa idosa, mandou o neto que sem saber, também tem o dom da Visão. Desde que ele chegou ao país, tem visto criaturas bizarras que mais ninguém consegue ver.

Ken Kuromori, forma como os japoneses chamam Kenny, precisa achar a lendária Espada Kusanagui e usá-la para evitar que cinquenta milhões de pessoas morram na Costa Oeste dos Estados Unidos. Mas, um bando de monstros terríveis quer impedir que ele tenha sucesso em cumprir o seu destino. Com a destemida e irônica Kiyomi ao seu lado, eles saem em busca da Espada antes que seja tarde demais.

Transitando entre o real e a fantasia, Jason Rohan nos apresenta a mitologia japonesa de forma divertida. Rohan é inglês e já trabalhou como escritor da Marvel Comics e como professor de inglês no Japão, onde viveu por cinco anos. A Espada de Kuromori é a sua estreia como autor de livros. Em uma passagem hilária, Kenny argumenta porque o Super-Homem deveria ser um personagem porcalhão, gordo e peludo [risos]. Provavelmente alguma piada da época da Marvel

O mercado tem lançado diversos livros de aventura para o público jovem e a maioria segue a cartilha do herói, onde um adolescente é escolhido para uma jornada extraordinária. Em A Espada de Kuromori, Jason Rohan apresenta uma narrativa fluida em terceira pessoa e os personagens têm uma inocência não muito comum nos livros e filmes atuais. Essa característica era mais comum nos filmes adolescentes dos Anos 80. Strange Things, série atual da Netflix, também segue essa linha.

Apesar disso, o autor não trata o leitor como burro. Alguns momentos remetem aos acontecimentos do final da Segunda Guerra Mundial quando os Estados Unidos arrasaram as cidades de Hiroshima e Nagasaki com bombas nucleares. Um período negro na história da humanidade e uma vergonha para os Estados Unidos.


Outra coisa que gostei bastante é que o livro traz diversas palavras em japonês e há um glossário no final para pesquisas, apesar de não ser necessário consultar sempre. Difícil não imergir na cultura japonesa dessa forma.


Como nos anime, além das lutas de artes marciais, Deuses e monstros, a superação e o amadurecimento dos personagens é o foco principal. Se junte a Kenny e Kiyomi em suas jornadas.


O livro é voltado para o público adolescente, mas pode agradar a todos os que mantêm o coração jovem, como nós, os Garotos Perdidos.


17 comentários:

  1. Olá!
    Ótima resenha.
    Eu adoro Percy Jackson, então já me animei bastante com a história desse livro. =)
    Fiquei mais animada ainda ao ler sua resenha, ainda mais por nunca ter lido nada de mitologia japonesa.

    Beijo
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carolina,
      Que bom que gostou da resenha.
      Quando ler, comente o que achou.
      Beijos, André

      Excluir
  2. Nunca li Percy Jackson, e sou muito leiga no assunto "mitologia japonesa" por não me interessar, infelizmente vou deixar a dica passar dessa vez.
    Sua resenha está muito boa!!!

    http://blog-myselfhere.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Bárbara.
      Volte sempre que quiser.
      Os Garotos Perdidos adoram receber visitas.
      Beijos

      Excluir
  3. Olá
    Esse tipo de literatura pra mim é super nova. Tenho pouca experiência com animes ou mitologias japonesas.
    Mas a resenha me deixou curiosa e interessada em ler.
    Portando dica anotada.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Marcia,
    Que bom que consegui te deixar curiosa e com vontade de ler. Sinal de que a resenha atingiu o seu objetivo. Fico feliz ;)
    Beijos, André

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Então, vou deixar essa sua dica passar, apesar de já ter lido um livro do genero, não faz muito meu estilo e tal. Flores no Outono 

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia o livro e confesso que quando li o início onde você comenta que é para quem gostou de Percy eu comecei bem desanimada a ler sua resenha. é que eu amo histórias com deuses gregos e tal, mas Percy não funcionou para mim...
    Mas... Por ser no Japão - que tem uma cultura incrível - e por usar algumas palavras no original me deixou curiosa. Ainda mais por você comentar que tem um glossário mas que não precisa ser consultado sempre. Isso mostra que o autor soube inserir as palavras e te fazer entrar na cultura e é ótimo. Outro ponto que curti foi saber que os personagens tem uma ingenuidade mas que nem por isso o leitor é tratado como burro. Fico louca quando um autor estraga algo que poderia ser muito bom explicando demais por achar que quem ler não vai entender.
    Não é bem meu tipo de leitura, mas com certeza depois da sua resenha quero - e muito - conhecer melhor essa história!!!!
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Licavargas,
      Obrigado pela visita.
      Beijos,
      André

      Excluir
  7. Olá, logo no começo da resenha já fiquei morrendo de vontade de lê-lo, adoro livros no estilo de Percy Jackson, pelos seus comentários o autor conseguiu trazer de uma forma diferente um pouco da cultura japonesa com uma aventura bem legal e personagens que vão amadurecendo *-* Sem duvida preciso lê-lo <3

    http://meumundo-meuestilo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jéssica,
      Depois, não deixe de nos dizer o que achou.
      Beijos,
      André

      Excluir
  8. Olha, que interessante! Não pude evitar lembrar da série "Guardians", da Luciane Rangel, no entanto. Bem legal, curti a dica.

    Carolina Gama

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carolina,
      Não conheço Guardians, da Luciane Rangel. Vou procurar sobre esse livro.
      Valeu pela dica.
      Beijos,
      André

      Excluir
  9. Eu achei a história bem interessante, mas confesso que não é o tipo de leitura que eu estou buscando pra mim no momento.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beleza Débora,
      Volte sempre ao Garotos Perdidos. Quem sabe não encontra algo que te chama a atenção.
      Beijos,
      André

      Excluir
  10. eu já tinha visto esse livro e já tenho uma MEGA vontade de ler mas falta time and money pra isso.

    ResponderExcluir